sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Todos irão vir - letra e música: Hilário Pereira


Todos irão vir
letra e música: Hilário Pereira

O que pensou que antes fosse
Parece que já não mais é
No peito da sola, o sangue
Na sola do peito do pé

Por que todos estão partindo?
Seguindo a mesma direção
Talvez querendo chegar
De onde tudo começou

--- refrão ---
Se todos irão vir
E todos vão

Caminhos que levam a
Nada o peixe contra correnteza
O homem que matou o bicho
Morreu na sua natureza

Não pense que é muito
Fácil manter o equilíbrio
A força bruta de um selvagem
Quebrou como se fosse vidro

--- refrão ---
Se todos irão vir
E todos vão


quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Qual a diferença entre o charme e o funk?

video

Um vez li um artigo que dizia: "Quem ingere bebida alcoólica moderadamente tem 60% menos chances de sofrer um ataque cardíaco do que aquele que não bebe nada".
O problema é que o álcool em algumas pessoas causa uma reação que costumo chamar de: eu interior. Aquela vontade reprimida, um desejo contido muitas vezes pode se revelar no momento mais inapropriado.
Todo bêbado que se preze chora em um ombro amigo, sempre tem aquela famosa frase: "Cara, você sabe que eu te amo, tá aqui ó"- e dá aquela batida no peito.
Tem aqueles que se empolgam no meio de um churrasco com 60 pessoas e solta: "Pessoal, próximo churras, na minha casa hein??" - detalhe, o maldito mora num apartamento, só que na hora esqueceu.
Há muitos outros por aí, mas o melhor de todos é o bêbado sincero, aquele que fala o que sente dentro do seu coração, quando o álcool atinge o cérebro e libera as informações como presos foragidos do Bangu II. Esse é o cara!

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Sorte Minha - letra e música: Hilário Pereira



Sorte Minha
Letra e Música: Hilário Pereira

Sou poeta sem caneta
Em figuras de linguagem
Rima besta em perneta
Se as uso é bobagem

Um poeta sem sentido
Apaixonado pela vida
Pode encontrar palavras
Em um beco sem saída

--- refrão ---
Eu preciso que você saiba
O que se passa aqui dentro

Os sentidos se encaixam
E o céu fica mais perto
Quando as nuvens se abaixam
E o erros se acertam

Ela pega suas coisas
Pronta para viajar
Também leva o passaporte
Que faltava carimbar

--- refrão ---
Eu preciso que você saiba
O que se passa aqui dentro


Sorte àquele
Que pode admirá-la (sorte minha)
Sorte àquele
Que é seu amigo (sorte minha)
Sorte àquele
Que ouve sua risada (sorte minha)
Sorte àquele
Que dança contigo (sorte minha)

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

A bolsa foi pro espaço!


Calma, não é a Bolsa de Valores, pelo menos desta vez não. O dia 19 de Novembro, Terça-Feira, foi marcado pelo acidente mais inusitado da história: o dia em que uma mulher perdeu uma bolsa no espaço! A astronauta Heidemarie Stefanyshyn-Piper, durante uma operação espacial de manutenção na Estação Espacial Internacional, deixou escapar a bolsa de equipamentos que utilizava.
Dentro da bolsa estavam importantes ferramentas de manutenção, creme para hidratar as mãos, uma escova de cabelo, um espelho, uma cartela de Postan, Doril, Dramin, um frasco 212 Carolina Herrera e um batom da Avon.
Na hora do acidente a astronauta disse:
- Ah que ótimo...
Mas, o que ela pensou foi:
- Ah que ótimo, lá se foi minha bolsa da Prada...


Pelo menos com os objetos femininos perdidos da astronauta darão uma "maquiada" no lixo despejado em órbita. 
Mesmo após o acidente, Heidemarie foi auxiliada por outro astronauta que levou todo o seu equipamento para que ela prosseguisse com a manutenção: uma chave de fenda.
E outra, não tem graça morar com uma mulher astronauta, porque você nunca poderá dizer coisas como: "Você está no mundo da Lua", "Eu vou te mandar pro espaço!".
Agora imagina o medo do resto da tripulação com essa mulher no comando da nave espacial querendo voltar pilotando.
É a mulher conquistando seu espaço.



Ir Além dos Sentidos


Texto: Fernanda Fernandes
Voz e Mix: Hilário Pereira

domingo, 16 de novembro de 2008

Um bom anúncio de oportunidade.

Eu iria protestar sobre o racismo norte-americano, o preconceito mundial, mas prefiro dizer que mesmo que Obama não faça milagre como muita gente pensa, o que importa é que sempre haverá espaço para a criatividade.

 

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Boa Tarde.


Hoje descobri que reclamar é algo que carregamos em nosso DNA, é instinto. Assim como uma formiga operária sabe que ao nascer ela será operária, nós sabemos que iremos reclamar.
Só para se ter uma idéia, é impossível não reclamar de nada. O fato de protestar a quem sempre reclama da vida faz de você um "reclamador". Até mesmo os monges tibetanos reclamam por não acharem a felicidade eterna ou a paz interior. Na publicidade os intervalos comerciais são chamados de reclames. Reclamar.
Dias atrás ouvi o relato indignado de um amigo sobre os letreiros eletrônicos dos ônibus que circulam atualmente. Ele declarou que é dispensável o letreiro de saudação - Bom Dia, Boa Tarde... - pois em sua defesa explicou que isto atrapalha justamente na hora em que ele precisa ver qual é a linha daquele ônibus.
Até entendo tal repulsa com os letreiros, pois acaba sendo em vão, quando entro no ônibus cumprimento o motorista novamente. Aquela saudação é para quem? É um "Boa Tarde" geral talvez. Isso de certa forma me desobriga a cumprimentar o motorista ou o cobrador.
Se conseguir ficar sem reclamar durante um dia inteiro, talvez possa responder essa questão: 

Se uma árvore cai num bosque e não há ninguém por perto, ela provoca um som?



terça-feira, 11 de novembro de 2008

É foda...


Existem palavras que usadas em determinados casos, tem o poder de serem tão completas que permitem ao interlocutor a isenção de qualquer esclarecimento, independente da situação. Não quero numerar as palavras que toleram estes fatos, somente apontar uma em especial.
Uma palavra que de certa maneira pode soar obscenidade, quando na verdade é o gozo do direito do ser humano livre!
Me refiro a palavra: "foda".
Não se assuste. Talvez tenha pensado que entre tantas palavras em nosso vasto vocabulário haveria milhões que pudessem entrar na justificativa acima, mas não, nenhuma é tão completa quanto esta. A palavra foda é tão praticada em nosso cotidiano que muitas nem percebemos. E tudo depende do seu tom e em qual situação ela é inserida.
Imagine a seguinte situação: Você encontra um amigo, há tempos não se viam, cumprimentos de costume e aquela velha pergunta:

- E aí? Tudo bem contigo?

É quando o desafortunado inicia o drama em sua vida, dizendo que perdeu o emprego recentemente, a namorada o traiu pouco antes do casamento, seu carro foi roubado justo quando ele havia atrasado a última parcela do seguro, descobriu que sua dilatação varicosa das veias ano-rectais é hereditária.
Encha o peito, olhe nos olhos de seu pobre amigo e diga serenamente:

- É foda.

Pronto. Neste exato momento você foi absolvido de qualquer julgamento, não precisou aconselhar, não precisou mentir, gaguejar. Você está livre de obrigações amistosas. E não pense que seu amigo se sentirá ofendido, desolado, não...esta palavra tem o dom de penetrar os ouvidos de maneira persuasiva, como se convencesse que aquele situação realmente é foda.

Há tantas outras aplicações da palavra foda, por exemplo:

- Uma tarefa muito difícil - Uma tarefa muito foda!

- Poatz, esse cara é chato. - Poatz, esse cara é foda!

- Nossa, como ela é gostosa. - Nossa como ela é foda!

- Meu, essa comida tá uma delícia - Meu, essa comida tá foda!

- Eu sei, sou muito inteligente. - Eu sei, sou foda!

E por aí vai, sei que poderá encontrar outras situações na qual a palavra foda poderia se encaixar, mas fique à vontade, comente, porque esse texto nem ficou foda, mas foi foda de fazer porque o dia foi foda e é foda quando não se tem idéias fodas entende? É foda...